quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

O Lago Serra da Mesa

Foto de satélite do lago

Lago de Serra da Mesa (o lago artificial da Usina de Serra da Mesa) é o segundo maior lago do Brasil, localizado no Noroeste de Goiás, formado para a construção da Usina Hidrelétrica de Serra da Mesa. Está em área inundada, com 1784 km² na elevação 460 m (em relação ao nível do mar), é o primeiro em volume de água 54,4 bilhões de metros cúbicos, tem atraído expressivo investimento na área de turismo.
Formado pelos rios Tocantins, Traíras e Maranhão, tornou-se uma das melhores regiões para pesca esportiva de peixes como o Tucunaré, campeão de preferência dos pescadores de iscas artificiais.
Suas águas são alcalinas, dificultando assim a proliferação de mosquitos, pernilongos e mutucas, tornando esportes aquáticos viáveis.
O lago é rodeado por morros com elevações que podem alcançar os 1400 metros de altitude, tornando a paisagem exuberante.



Nos últimos três anos, período em que a represa vem enchendo, tem-se travado, por lá, batalhas memoráveis com esses peixes. As notícias (e fotos) vindas da região falam de exemplares com até 4 kg e, em abundância. Mas, para quem pensa que é só de tucunarés que vive a pesca na represa, é importante dizer que essa não é a única espécie encontrada por lá.
Traíras, trairões, bicudas, cachorras, caranhas, piranhas diversas, matrinchãs, piaus, barbados, corvinas, pintados e jaús têm aparecido e feito a alegria dos freqüentadores da represa. Mas, como todo lago de hidrelétrica que se preze, Serra da Mesa tem seus segredos.
A modalidade de pesca escolhida é muito importante, podendo fazer a diferença entre encontrar ou não os peixes. Devido à grande profundidade do lago, em alguns pontos, o uso de iscas vivas é a modalidade mais praticada na região. Escolhe-se uma galhada no meio da represa, amarra-se o barco e isca-se o lambari ou o acará pelas costas, descendo-o devagar até se encontrar os peixes. Semelhante à pescaria de corvinas feita nesse ou em outros lagos, caso não se ache os peixes muda-se para outro ponto, não permanecendo mais que 10 minutos em cada local. Pode-se, inclusive, voltar a pontos batidos anteriormente.

*Textos da Wikipédia e do site Carioca do Cerrado

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário